sábado, 16 de janeiro de 2016

LEITURA ESPIRITUAL - Dia 16 do mês

Da fervorosa emenda de toda a nossa vida

  Um homem que flutuava muitas vezes, cheio de ansiedade, entre o temor e a esperança, estando um dia oprimido de tristeza, entrou numa igreja, e, prostrando-se diante dum altar para fazer sua oração, dizia e repetia consigo mesmo: Oh! se eu soubesse que havia de perseverar! E logo ouviu no íntimo da alma esta divina resposta: Que farias se isso soubesses? Faze agora o que então quiseras fazer, e estarás seguro. E no mesmo instante, consolado e fortalecido, se ofereceu à divina vontade, e cessou sus ansiosa turbação. Nem quis curiosamente esquadrinhar o que lhe havia de suceder; aplicou-se unicamente a conhecer a vontade de Deus, e o que a seus divinos olhos fosse mais agradável e perfeito para começar a perfazer toda a boa obra.
  Duas coisas resfriam em alguns o ardor de se corrigir e progredir na vida espiritual: o receio das dificuldades e o esforço trabalhoso do combate. 
  Certamente progridem mais nas virtudes aqueles que com maior empenho trabalham por vencer-se a si mesmos naquilo que lhes é mais penoso e contraria mais as suas inclinações. Porque, na verdade, o homem tanto mais aproveita e tanto maior graça alcança, quanto mais se vence a si mesmo e se mortifica no espírito.
Coragem no combate para conseguir o Céu!
"Quão desprezível é a Terra quando olho para o Céu!"
 Propõe-te por modelo a Cristo Crucificado. Com razão te podes envergonhar, considerando a vida de Jesus Cristo, de não ter feito até aqui bastante esforço para te conformares com ela, estando há tanto tempo no caminho de Deus. Quem devota e cuidadosamente, se exercita a meditar na santíssima vida e dolorosa paixão do Senhor, acha nela com abundância tudo que é útil e necessário para sua santificação: e não precisa buscar coisa nenhuma melhor fora de Jesus Cristo. 
  As virtudes não se adquirem senão com muito cuidado, e grande diligência. Se começas a ser tíbio, começarás a ir-te mal. Mas se te exercitares no fervor, acharás grande paz, e sentirás o trabalho mui ligeiro pela graça de Deus, e pelo amor da virtude. O homem fervoroso e diligente para tudo está preparado. 
  Uma advertência que nunca será demais lembrar, tanto mais que tem por autor o próprio Espírito Santo: "Quem não evita as faltas pequenas, pouco a pouco cai nas grandes" (Eccl. XXIX, 1). 
   Estás sinceramente resolvido a salvar-te? Tens vontade firme de ganhar o céu? Prepara-te, pois, ao trabalho, à peleja. "Só será coroado quem legitimamente combater". Sem dúvida a unção da graça torna suave aos fiéis este trabalho, este combate; no meio dos trabalhos e dos sofrimentos gozam duma paz celestial que os pecadores não conhecem. Porém têm que fazer contínuos esforços para triunfarem de si mesmos, para vencerem seus desejos, suas paixões, o mundo e o príncipe do mundo.
   O que fizeram os santos, senão esta luta valente e porfiada? "Cercados duma tão grande nuvem de testemunhos, diz S. Paulo, desembaracemo-nos de tudo o que nos prende ao mundo, e do pecado que nos seduz e corramos pela paciência ao combate que nos é proposto. Com os olhos fitos em Jesus Cristo, autor e consumador de nossa fé, o qual, em vista da glória que lhe estava preparada, sofreu na cruz, desprezando a ignomínia; e agora está sentado à direita do trono de Deus" (Leiam Hebreus, XI, 35-38 e XII, 1,2). 
   Compadecei-vos de mim, Senhor, que sou fraco; tende-me da Vossa mão que nada posso por mim só; dai-me fortaleza para que vença os trabalhos da vida, resista às sugestões do inimigo; afastai de mim todo o mau desejo, todas as ciladas da concupiscência, e nada deseje tanto, com dar-Vos honra e glória, trabalhando em minha salvação. 
  O ramalhete espiritual de hoje serão as palavras de Jesus: "O reino do Céus sofre violência, e só os violentos é que poderão arrebatá-lo". 

Nenhum comentário:

Postar um comentário