segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

SANTO NATAL

   Aos caríssimos e amados fiéis de minha reitoria, aos leitores e seguidores de meu blog desejo um FELIZ E SANTO NATAL, repleto de graças e bênçãos escolhidas do Menino Deus e de Sua Mãe Santíssima!

 "Sendo rico, fez-se pobre  para que, com Sua pobreza nos enriquecesse a todos" (2 Cor. VIII, 9).

   Jesus nasceu pobre; é aos pobres que se manifesta primeiro; eles recebem seus primeiros favores, assim como serão sempre o objeto de sua predileção. Envia Anjos por embaixadores, não a monarcas poderosos, mas a pastores, a homens simples, trabalhadores e vigilantes. Viverá com eles e no meio deles durante trinta anos. Quando chegar o tempo de pregar o reino de Deus, a eles se dirigirá primeiro porque é por causa deles que seu Pai o enviou: "Enviou-me para evangelizar os pobres". Já dali de seu trono, a mangedoura de palhas, Ele nos ensina que os bens deste mundo, o dinheiro e as riquezas, não são a felicidade. Que os ricos aprendam a caridade e o desapego desses bens passageiros; e os pobres aprendam a libertar o coração de qualquer inveja e cobiça.
   Mas Jesus não despreza os ricos e os sábios. Chamou através de uma estrela, os Reis Magos do Oriente, para arrancá-los das trevas do erro e ensinar-lhes a Fé católica. Jesus já condenava o ecumenismo que tenta parificar as religiões. Jesus, outrossim, combate a luta de classes: pois, ali estão os pobres - os pastores; e também os ricos - os Reis. Todos tem o seu lugar no coração do Menino Jesus.
   Verdadeiramente, o Nascimento de Jesus é motivo de alegria para todos. Basta ter boa vontade de segui-Lo. Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida. O mistério do Natal só inspira confiança. O Céu hoje só tem bênçãos a derramar sobre a terra. É por causa da humanidade que nasceu, é por nossa causa que é Salvador. Se os nossos pecados ainda clamam vingança, os vagidos que partem do presépio, chegam até ao coração do Pai das misericórdias. Paz nos corações de todos os homens! Jesus vem expulsar deles os remorsos que os atormentam, as paixões que os agitam. E que nos pede para gozarmos desta paz? A boa vontade; uma vontade decidida, não uma veleidade, que não é uma vontade boa. Os Anjos não dizem: Paz às almas justas e inocentes; paz aos Santos penitentes, que expiaram os seus pecados; mas dizem: Paz aos homens de boa vontade! Desde que eu esteja disposto a conformá-la com a vontade de Deus, tenho direito a contar com a paz. Tanto os pastores como os Reis Magos tiveram esta boa vontade. Mas na verdade, os pobres entendem melhor a linguagem da cruz, acostumados como estão às privações e sofrimentos. Todos correram a visitar Jesus. Consta que só três Reis foram fiéis: "Vimos a estrela e viemos adorar o Rei dos Judeus".
   Hoje vamos considerar o exemplo dos pastores. Na Epifania, se Deus quiser, falaremos mais dos Reis Magos.
   Os pastores são cercados de refulgente luz; vêem um Anjo e têm muito temor, mas é substituído logo pela confiança: "Não temais, diz o espírito celeste, anuncio-vos uma grande alegria, que será para todo o povo: nasceu-vos hoje em Belém o Salvador. Mas como reconhecereis vós este Messias tão ardentemente desejado durante séculos? São três os sinais, ou sejam, as insígnias de sua grandeza, de sua realeza: a humildade; a pobreza; a mortificação dos sentidos. Diz o anjo: "Invenietis infantem, pannis involutum, positum in praesepio". Invenietis infantem: encontrareis um menino recém-nascido que não fala - é a humildade. Jesus é o Verbo ou a Palavra do Pai, mas aqui não fala, só sabe chorar. Pannis involutum: envolvido em pobres paninhos - é a pobreza. E Ele é o Verbo pelo qual foram feitas todas as coisas, todo ouro, todas as pedras preciosas. Positum in praesepio: colocado numa mangedoura - é a mortificação dos sentidos. Deixou o Céu, a Pátria do Repouso eterno, da Glória infinita, e está aqui sobre palha, exposto às intempéries.
   Os pastores crêem nas palavras do Anjo, por mais opostas que sejam a todos os juízos humanos; confiam na sabedoria, no poder, na bondade de Deus. E vão ver e adorar esse Salvador recém-nascido. Partem, apressam-se. Ó prudente docilidade! Ó santa prontidão! "Acharam Maria, José e o Menino, que estava reclinado no presépio". Eis o fruto de sua retidão e obediência. Longe de se entibiarem à vista desta pobreza, sentem ainda mais fervor em se aproximar de um Salvador, que se mostra tão acessível, e em honrá-Lo e contemplá-Lo. Ali ficaram extasiados por muito tempo. Entregavam seu coração ao Menino Deus, e deixavam-no atuar neles livremente, limitando-se a cooperar com a ação de Jesus, sem a estorvar. Imitemos esta candura, e Jesus orará em nós, como orou neles. Saem dali anunciando o Salvador por toda parte.
  Caríssimos e amados leitores, vamos sem demora ao Altar do Salvador! O Altar deve ser para nós hoje, o que o presépio foi para os piedosos pastores. Procuremos nos aproximar de Jesus com os mesmos sentimentos, dispondo-nos para ali receber não nos braços mas no coração Aquele mesmo Jesus, na Comunhão. Este o verdadeiro Santo Natal que desejo para todos vós! Amém!

sábado, 15 de dezembro de 2018

CARTA PASTORAL (1)

CARTA PASTORAL (3)
prevenindo os diocesanos contra os ardis da seita comunista.
Escrita em 13 de maio de 1961 pelo então Bispo da Diocese de Campos, D. Antônio de Castro Mayer, de saudosa memória.


I  -  OS OBJETIVOS "HUMANITÁRIOS" DOS COMUNISTAS E A COLABORAÇÃO COM OS CATÓLICOS

6 - Insinceridade fundamental do "humanitarismo" comunista

"Os comunistas não querem a reparação dos males, das injustiças sociais. O regime que eles aplaudem é a mais tremenda tirania, arvorada em sistema de governo. O que eles desejam é produzir um ambiente de luta, de exacerbação contra as elites. Seu fim imediato é provocar a inquietação social, a desunião dos espíritos. Não os perturba, de modo nenhum, a violação da lei moral. Para eles não existe lei moral (cf. Enc. "Divini Redemptoris, A. A. S., vol. 29, pp. 70 e 76). O que lhes é sobremaneira útil é excitar e manter a luta de classes, luta de extermínio, sem qualquer tentativa de conciliação harmoniosa como quer a Igreja. Eis o que se lê na História do Partido Comunista da URSS, publicação oficial dos soviets: "Para não se enganar em política, é preciso ser revolucionário e não reformista [...]. É preciso seguir uma intransigente política proletária de classe, e não uma política reformista de harmonia de interesses do proletariado e da burguesia, não uma política conciliadora de INTEGRAÇÃO do capitalismo no socialismo" (apud "Itinéraires", de Paris, nº 52, p. 99). Na Encíclica "Divini Redemptoris", por seu lado, Pio XI consigna que o ideal que visam os esforços dos marxistas é exacerbar a luta de classes (A. A. S., vol. 29, p. 70).

7 - A seita comunista oculta ao grande público suas verdadeiras doutrinas

Hoje, a propaganda dos comunistas não apresenta nem sua doutrina, nem seus objetivos de modo claro, patente ao grande público. Fê-lo no começo, ma logo percebeu que assim afastava os povos do marxismo (cf. Enc. ibid. p. 95), tão brutal é a essência deste. Por isso, a seita "mudou de tática, e procura ardilosamente seduzir as multidões, ocultando os próprios intuitos atrás de ideias em si boas e atraentes"  (Enc. cit., ibid. p. 95). É assim que os comunistas, "mantendo-se firmes em seus perversos princípios, convidam os católicos a colaborar com eles, no campo chamado humanitário e caritativo, procurando, por vezes, coisas em tudo até conformes ao espírito cristão e à doutrina da Igreja"  (Enc. cit., ibid. p. 95).

8 - Colaborar com as campanhas da seita marxista é fazer-lhe o jogo

De onde se vê que toda colaboração prestada a uma campanha na qual se empenham também os comunistas  -  ainda quando não se apresentem como tais  -  é uma colaboração que se dá à implantação do marxismo. O exemplo doloroso de Cuba nos adverte, e a simples observação da maneira de agir da seita nos convence.

Cumpre distinguir, a esse propósito, entre colaboração mútua e ocasional convergência de esforços. Há colaboração quando católicos e comunistas, trabalhando para o mesmo objetivo imediato, se auxiliam uns aos outros, ou, pelo menos, calam temporariamente o fundamental e recíproco antagonismo em que se encontram. A colaboração redunda sempre em proveito dos marxistas. Pode acontecer, entretanto, que os católicos iniciem uma determinada campanha, e, fortuita ou ardilosamente, os comunistas também se movimentem no mesmo sentido. Haverá então, como adiante veremos, uma convergência de esforços ocasional, que poderá não trazer vantagem para os comunistas, se os católicos recusarem articular qualquer ação com eles, bem como estabelecer com o comunismo um armistício ainda que temporário.

Os asseclas de Marx jamais trabalham senão para favorecer a sua causa. Se há um movimento totalitário no mundo, no qual não se desperdiça força alguma, no qual tudo, absolutamente tudo, é calculado em função do fim colimado, é o dos comunistas. Assim, onde quer que haja ação destes, há aí um interesse do comunismo, e é infantil pretender desviar-lhes a atividade, uma vez que o comunista, enquanto permanece tal, não abandona seu ponto de mira, e habitualmente não se engana nos seus cálculos. Não por outro motivo condenou Pio XI qualquer colaboração com os marxistas.

9 - ... mesmo quando ela propõe planos conformes à doutrina católica

Ainda mesmo quando eles propõem  -  o que o Papa [Pio XI] prevê  -  "projetos em todos os pontos conformes ao espírito cristão e à doutrina da Igreja", ainda nesses casos (e, atendendo-se ao espírito da "Divini Redemptoris", mais especialmente nesses casos, "NÃO SE PODE PERMITIR EM CAMPO ALGUM A COLABORAÇÃO RECÍPROCA COM O COMUNISMO" (Enc. cit. ibid., p. 96). A proibição de Pio XI é categórica, e não admite exceções: é preciso que não haja colaboração recíproca em nada  -  NULLA IN RE  -  com esta seita execrável.

E a razão é que, quando os comunistas aliciam os católicos, à sua maneira, isto é, com "projetos em todos os pontos conformes ao espírito cristão e à doutrina da Igreja", eles nada mais fazem do que preparar uma armadilha, porquanto, como diz o Papa, procuram "ardilosamente seduzir as multidões, ocultando os próprios intuitos atrás de ideias em si boas e atraentes" (Enc. cit., ibid., p. 95).

De toda essa lição de Pio XI se deduz que os fiéis que se unem aos comunistas na busca de objetivos inteiramente "conformes ao espírito cristão e à doutrina da Igreja", caem numa cilada e colaboram para a implantação do comunismo no mundo."  

CARTA PASTORAL


CARTA PASTORAL
prevenindo os diocesanos contra os ardis da seita comunista.
Escrita em 13 de maio de 1961 pelo então Bispo da Diocese de Campos, D. Antônio de Castro Mayer, de saudosa memória.
1 - A Igreja perseguida em vários países
Na alocução consistorial de 16 de janeiro próximo passado [1961], o Santo Padre gloriosamente reinante, João XXIII, referiu-se com angústia e dor a nações em que os poderes públicos criam obstáculos à ação da Igreja, particularmente no plano educacional, sujeitando muitas escolas católicas, fundadas e mantidas pelas vigílias, suores e angústias dos missionários, a medidas de coerção e compressão (cf. A.A.S., vol. 53, p. 67).
2 - A perseguição comuno-fidelista
As palavras do Augusto Pontífice aplicam-se, sem sombra de dúvida, à nação cubana, convulsionada pela situação nela criada com a revolução de Fidelio Castro, ou Fidel Castro, como é geralmente conhecido.
A - NO PLANO RELIGIOSO
Com aparências de movimento renovador, cuja intenção seria unicamente restaurar a ordem jurídica tradicional, gravemente lesada pelo arbítrio de um governo pessoal despótico, a revolução fidelista  colimava de fato a instauração, na grande Antilha, de um regime comunista, sem respeito às liberdades fundamentais inerentes à pessoa humana, entre as quais tem primazia a de crer e praticar a Religião verdadeira . Pois, de acordo com o testemunho dos Prelados cubanos, essa foi a obra encetada desde seus primórdios pelo governo de Fidel Castro.
Em 4 de dezembro passado [1960], todo o Episcopado de Cuba enviou uma carta ao primeiro ministro denunciando a caráter enti-cristão do novo regime (cf. "Cristandad", de Barcelona, nº 358, p. 297). Agora, alguma dúvida que ainda pudesse subsistir sobre o cunho da revolução fidelista desapareceu de todo. Em 1º de maio deste ano, Fidel Castro proclamou Cuba Estado socialista, confiscou todas as escolas católicas da ilha, prepondo-lhes dirigentes revolucionários, e ultimamente decretou a expulsão dos Padres estrangeiros, prenúncio natural de perseguição mais atroz conta a Igreja, como tem acontecido em outros países.
B - NO PLANO SOCIAL
Paralelamente a esses golpes desferidos diretamente contra a Religião, a revolução cubana atacou a fundo duas instituições básicas da civilização cristã, isto é, a propriedade e a família. A primeira ficou praticamente abolida por sucessivas reformas, fundamentadas no falso princípio de que o Estado pode, a seu talante, dispor dos bens particulares: a reforma agrária, que feriu de morte a propriedade rural, a reforma urbana, que suprimiu a propriedade imobiliária nas cidades, e a reforma industrial, que confiscou as fábricas. A família, de seu lado, foi vulnerada pela lei que tirando aos pais o direito de escolher livremente as escolas para seus filhos, os privou de uma das mais importantes prerrogativas do pátrio poder.
3  -  Oração e reparação pelo povo cubano
No momento, o que de melhor podemos fazer, à vista destes fatos dolorosos, é redobrar nossas orações e boas obras, sacrifícios e penitências, a fim de que Deus Nosso Senhor conceda aos católicos de Cuba a coragem e a fortaleza de que precisam para imitarem os mártires dos primeiros séculos, os quais nutriram com seu sangue a semente cristã, e contribuíram para dar-lhe o vigor de espalhar-se por toda a terra. Orações, boas obras e sacrifícios nessa intenção, e também para que a misericórdia divina se apiede da nação irmã, purgue-a logo de seus pecados, lhe dê em breve a alegria de nova alvorada de liberdade cristã no santo temor de Deus, ali pregado por missionários da envergadura de Santo Antônio Maria Claret.
(...)
4 - Levantar em prol dos cabanos perseguidos a opinião pública
Este fervor haurido na oração deve frutificar em atos. Se cada fiel, nos ambientes que freqüenta, se valer de todas as ocasiões para manifestar sua repulsa à revolução comunista de Fidel Castro, e para acender no próximo uma santa indignação contra ela, se todos em conjunto aproveitarem as oportunidades que se apresentarem para dar solene e público testemunho de sua reprovação à perseguição religiosa naquela ilha, terão feito quanto em si está para combater o comuno-fidelismo, e se portarão como autênticos membros do Corpo Místico de Cristo, sensíveis a todos os golpes que esse Corpo recebe em qualquer parte da terra, como filhos amorosos da Igreja que não suportam seja Ela perseguida em qualquer nação do mundo.
5 - Aproveitar a lição que nos vem de Cuba
Entretanto, não pensemos só em Cuba. Não estamos livres de sofrer também uma revolução marxista. O exemplo das Antilhas constitui ameaça para toda a América Latina, e não vemos reação proporcionada à gravidade do perigo. Muito pelo contrário, assistimos a um recrudescimento de ousadia por parte dos comunistas, e de simpatia, mais ou menos generalizada em vários setores da sociedade, pelo mundo socialista. De onde a urgência em tirarmos proveito da lição que nos vem do Norte, meditando atentamente sobre a doutrina marxista, sua propaganda e seus ardis. Com efeito, a Providência, permitindo a eclosão do comunismo em Cuba, dá às demais nações católicas do continente um sinal, altamente expressivo, da gravidade da situação em que elas mesmas se encontram. Tomar na devida conta esse sinal corresponde, pois, a um dos mais sérios deveres do momento.
6 - ... especialmente a lição sobre os ardis comunistas
Mais especialmente, amados filhos e Cooperadores, pareceu-nos importante chamar vossa atenção para os ardis da propaganda vermelha. Por meio deles, a minoria comunista, seita tenebrosa, fanatizada e disciplinada, mas incapaz, por seu pequeno número, de impor seu jugo a um país tão vasto e católico como o nosso, pretende instaurar entre nós a chamada ditadura do proletariado.

Nota minha: Não esqueçamos que D. Antônio de Castro Mayer escrevia em 1961, antes, portanto do Concílio Vaticano II. Já neste Concílio totalmente atípico, o grande Bispo de Campos, juntamente com D. Geraldo de Proença Sigaud, então Arcebispo de Diamantina, puderam perceber o perigo que significava a Teologia da Libertação já ventilada e planejada para o Brasil principalmente por D. Hélder Câmara ali no Concílio. E logo depois do Concílio Vaticano II, D. Antônio já não considerava pequeno o perigo comunista no Brasil, e via Sua Excia,  (e outros Bispos conservadores e também padres) que o perigo era grande, e tão grande que, embora houvesse necessidade da tomada do Poder pelos militares, o que, graças a Deus, aconteceu já antes do término do Concílio, quiçá, os próprios governos militares, não puderam perceber que os comunistas através de infiltrações na Igreja, continuavam a envenenar os mentes dos brasileiros, até chegar a este ponto crítico atual. E agora, que Deus nos deu esta graça de reverter o rumo de nosso País, mister se faz que os anti-comunistas não durmam, porque,os comunistas, diabólicos que são, continuarão provocando divisões entre os da direita e trabalhando coesa e sub-repticiamente para voltarem ao poder. Exploração como escândalos enormes as mínimas falhas dos da direita, mesmo que comparadas às dos partidos de esquerda, sejam quais grãos de areia diante de montanhas.  

sábado, 8 de dezembro de 2018

PIO IX DEFINE EM 1854 O DOGMA DA IMACULADA CONCEIÇÃO DA SANTÍSSIMA VIRGEM E QUATRO ANOS DEPOIS N. SENHORA APARECE EM LOURDES

Um só acontecimento bastaria para tornar o Pontificado de Pio IX eternamente célebre na Igreja: é a Definição do Dogma da Imaculada Conceição de Maria Santíssima, pronunciada a 08 de dezembro de 1854, na presença de 200 bispos, formando a mais augusta assembléia eclesiástica, havida desde o Concílio de Trento.
   "É raro, diz o Padre Rivaux, que a Igreja defina um dogma para satisfazer somente aos piedosos desejos e à devoção dos fiéis. O motivo deste ato de poder, o maior que se possa exercer sobre o homem, foi sempre a condenação de algum erro perigoso; por isso os espíritos mais justos notam uma ligação e relação íntimas entre a definição dogmática da Imaculada Conceição e a condenação de todos os erros monstruosos, que infeccionavam o mundo, de sorte que uma dessas duas coisas não pode fazer-se sem a outra.
   Desde o aparecimento do protestantismo, a guerra contra a Igreja tomou proporções gigantescas. Dessa grande heresia, continua o Padre Rivaux, nasceu o racionalismo, primeiramente teológico, depois teológico e filosófico, mais tarte teológico, filosófico e político, e finalmente teológico, filosófico, político e social. Este racionalismo, aplicado de mil modos pelas seitas modernas e sociedades secretas, abrange ao mesmo tempo o homem religioso e social, e forma um vasto sistema de erros, que invade e corrompe religião, moral, ciências, literatura, artes, política, família, tudo enfim, e ameaça arrancar de seus fundamentos toda a sociedade humana, para a reconstruir segundo as suas utopias, e dar-lhe uma nova organização humanitária.
   "O princípio fundamental deste racionalismo de mil formas é a deificação da razão humana, que uns elevam ao nível e outros acima do dogma e da verdade revelada, e que finalmente os panteístas identificam com Deus mesmo. Deus confundido com o grande todo não subsiste e não se revela como pessoa senão na humanidade inteira; e os indivíduos da espécie humana somente dele são partículas ou modificações finitas e transitórias. - Como se vê, é um regresso para a antiga e absurda mentira de Satanás, tentando enganar a primeira mulher por estas palavras: Sereis com uns deuses.
   "A conseqüência inevitável deste monstruoso sistema, ou antes o seu fundamento lógico necessário, é a negação do pecado original. Porque, segundo este sistema, o homem é isento de corrupção, é perfeito, é santo de sua natureza; os seus instintos, sejam quais forem, são bons e divinos, etc. Se no presente ele parece miserável e degradado, deve isto atribuir-se ao vício das leis sociais e religiosas. Cumpre pois curá-lo desses estorvos, emancipar a humanidade e reconstruí-la num estado perfeito, segundo uma nova moral, uma nova ciência, uma nova Igreja, e uma associação universal de todos os povos. É por isso que se fala tantas vezes de futuros destinos da humanidade, da emancipação da mulher, da carne, e até mesmo de redenção nova etc.
    O Padre Rivaux fala em 1877 como se hoje estivesse explicando a nossa era, ou melhor dizendo, como se estivesse expondo a "NOVA ERA", "NEW AGE". Um dia, se Deus quiser, falaremos mais sobre isto.
   "Assim perfeito e santo de sua natureza, continua o Padre Rivaux, o homem não precisou de redenção. Em conseqüência, Jesus Cristo não foi senão um filósofo humanitário, encarregado unicamente de uma missão civilizadora e terrestre. Atribuíram-lhe depois falsamente as prerrogativas e os caracteres do deus humanidade, donde o seu nome de Deus-Homem ou Homem-Deus. - A sua história católica não é mais que um complexo de mitos, etc.
   "O nosso último destino, a nossa suprema felicidade acha-se neste mundo, e só por um progresso indefinido e fatal se deve alcançar, etc. - É desta maneira que blasfemam, renegam a Jesus Cristo, e que alguns sábios, em nome do progresso, nos fazem retroceder até ao paganismo mais absurdo e grosseiro. E este paganismo moderno, proveniente, não de se ter ignorado o Evangelho, mas de se ter conhecido e renegado será pior que o antigo, um mal quase irremediável, segundo este oráculo de São Paulo: "É impossível que os que foram uma vez iluminados, e depois disto caíram, tornem a ser renovados pela penitência". Tal é o resumo, tais são as conseqüências desastrosas e ímpias dos erros modernos. Em suma, nega-se o pecado original quer em si e seus efeitos, quer na reparação, que recebeu por meio de Jesus Cristo.
   "Mas o dogma do pecado original com os seus estragos no homem, e o dogma da redenção divina que os repara, foram já definidos pela Igreja. Por outro lado, é tal o estado da sociedade, é tamanho o resfriamento da fé, tão universal o da caridade, que se julgava, que se não podia esperar grande resultado da renovação das antigas definições, nem de uma condenação formal e solene dos principais erros modernos. O mal parecia exigir uma medida oportuna e sábia, que esclarecesse os espíritos e servisse ao mesmo tempo para inflamar os corações dos fiéis. Ora, a Igreja não podia melhor conseguir este fim do que definindo o dogma da Imaculada Conceição, no qual se acham encerradas e como personificadas todas as verdades do catolicismo, diretamente opostas aos numerosos erros do racionalismo moderno.
   "Com efeito, se Maria, por um privilégio único foi preservada do pecado original, segue-se, que a posteridade de Adão não é nem pura nem santa na sua origem; mas que é viciada e culpável, e precisa de um Redentor. - Se Maria foi preservada, porque devia ser Mãe de Deus, segue-se que Jesus Cristo, seu filho, não é um filósofo  humanitário ou uma pura ideia: é verdadeiramente Deus, unindo na pessoa simples e única do Verbo a natureza  divina e a natureza humana. - Se é à dignidade e aos méritos de Jesus Cristo, seu Filho, reparador da humanidade decaída, que Maria deveu a sua preservação, segue-se, que a missão de Jesus Cristo não foi uma missão terrestre e meramente social, mas sim celeste e sobrenatural: isto é, remir o homem pecador, tirá-lo da morte do pecado, livrá-lo da escravidão do demônio.
   Aqui o Padre Rivaux condena antecipadamente a TL e o MST. Basta o bispo de Campos estudar a verdadeira Teologia!
   "Logo, a graça que Jesus Cristo veio trazer-nos não é a civilização política, mas a fé, a vida sobrenatural, a dignidade de filhos adotivos de Deus; logo a felicidade, para a qual veio encaminhar-nos, não é a felicidade temporal desta vida, mas a felicidade eterna do céu; logo a terra é um lugar de transição, de exílio, de expiação, de luta entre a carne viciada pelo pecado e o espírito ajudado da graça de Jesus Cristo, e por conseqüência todos os atos do homem, que tendem a diminuir nele os ardores da concupiscência, fruto do pecado, e a reformar as suas paixões revoltadas: assim como a oração, as obras de mortificação e de penitência, não são exagerações da idade média, excessos de um misticismo exaltado, mas sim os justos meios de aplicação, e como o complemento da Paixão de Nosso Divino Redentor, como ensina o grande Apóstolo das nações (Coloss. I, 24). - Concluamos ainda que, se o homem, desde a sua origem, foi pecador ou prevaricador, não é independentemente de sua natureza; logo há uma lei superior, a que deve obedecer; logo são falsas as máximas da pretendida liberdade absoluta do homem, da independência do seu pensamento, da soberania da humanidade e da opinião, etc.
   "Pelo que precede se vê quantas verdades importantes se acham encerradas e concentradas na da Imaculada Conceição da Santíssima Virgem, e quantos erros perniciosos dos nossos tempos foram condenados pela definição deste dogma. - Assim se verifica cada vez mais o que a Igreja canta em honra de sua gloriosa Rainha: "Ó santa Virgem, só vós exterminastes todas as heresias no universo inteiro": Cuncta haereses tu sola interemisti in universo mundo".
   "Uma dupla manifestação provocada pela definição deste dogma em oito de dezembro de 1854 provou bem esta verdade consoladora: a manifestação odienta e violenta da incredulidade, e a manifestação filial e jubilosa dos fiéis. O dragão infernal de novo esmagado sob o pé da Virgem não podia deixar de soltar gritos de furor; incapaz de cantar a beleza de Maria Imaculada, o monstro esforçou-se inutilmente por manchá-la e feri-la no calcanhar: insidiaberis calcaneo ejus.
   "Mas por outro lado e ao mesmo tempo, os filhos da Igreja e da verdade exultaram de alegria e de felicidade. Os entusiasmos de Éfeso empalidecem e desaparecem perante os fogos de júbilo e de triunfo, que todo o mundo católico espontaneamente acendeu em honra da Imaculada Virgem Maria. - Este consolador dogma foi proclamado na cidade eterna, donde a vista de Maria abrange todo o universo católico, como o poder divino que ali se exerce; e as cidades e as aldeias imitam a Igreja Mãe e Senhora. - Deus, que recusara a proclamação da Imaculada Conceição às instâncias dos séculos de fé, tinha-a, em sua bondade, reservado para os nossos tempos, corrompidos e ameaçados por sofistas, sem dúvida para os curar e salvar. - Assim o procedimento da Igreja, a alegria dos fiéis, a raiva do inferno, o despeito, os sarcasmos e as blasfêmias da impiedade, tudo se explica naturalmente.
   "Foi tão agradável à Santíssima Virgem a definição deste dogma, que ela se dignou confirmá-la, pronunciando em 1858, estas palavras: "EU SOU A IMACULADA CONCEIÇÃO", na memorável e tão misericordiosa aparição em Lourdes, que abriu para todo o mundo e particularmente para a França uma fonte inexaurível de milagres, de graças, e de bênçãos".
  

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

ESCOPO PRECÍPUO DA ESCOLA PARA OS COMUNISTAS



Lenine já decretava alto e bom som: "A escola soviética não é neutra, como as hipócritas escolas burguesas; ela é ateia e a ideologia do comunismo ateu não deve ser ministrada aos educandos apenas especulativamente, mas de maneira que possam dirigir por ela todas as próprias atividades". E em 1930 se fundou em Leningrado uma "Universidade anti-religiosa para crianças.
Devemos dizer em poucas palavras: As escolas soviéticas são a concretização da filosofia materialista e inimiga de Deus, e, portanto,  precisamente o contrário da pedagogia cristã. Se, de um lado, o Cristianismo reclama todas as atividades para a construção da Cidade de Deus, o comunismo, por outro lado completamente contrário, exige a concentração de todos os esforços e aptidões para a constituição do reino terrestre e materialista. O Cristianismo tudo reduz, corpo, trabalho, etc., ao espiritual, já o comunismo tudo faz centralizado na matéria.
Os comunistas fazem da escola um viveiro de propaganda anti-religiosa. Vejam: A 04 de agosto de 1937, queixava-se um Decreto do Comissariado da Instrução Pública: "os resultados do ano escolar demonstram que, embora haja algumas exceções, não lograram os mestres vincular o ensino à educação política dos alunos... Durante o ano, pouco se fez para ilustrar os estudantes acerca da nova Constituição Staliniana que dá a maior importância à educação comunista das crianças... Particularmente se notou quase total ausência de educação anti-religiosa. É perigosa entretanto a opinião segundo a qual a educação anti-religiosa constitui uma etapa já passada..."
Disto vemos claramente duas coisas: primeiro, o porquê de tanto ódio que os esquerdistas estão demonstrando contra o projeto da "ESCOLA SEM PARTIDO"; e segundo, nós cristãos devemos lutar com todas as forças e sem esmorecer, pelas escolas sem doutrinação partidária. Estando as coisas como estão, podemos dizer que o ideal será que, tenhamos grandes pedagogos cristãos e que cheguem um dia a ser grande maioria; mas isto demandará muito tempo porque, infelizmente, o Brasil já está totalmente impregnado do veneno comunista. Nem o regime militar impediu tal desgraça.  Mas se os comunistas trabalharam até agora para que as escolas fossem viveiros de ateus, é mister que, sem demora, os anti-comunistas, façam das escolas viveiros de verdadeiros patriotas e para tanto, é preciso que tenham Deus no coração. Do contrário, todos os outros esforços serão fadados ao fracasso.  Os que são contra o projeto de Lei da Escola sem Partido negam que haja doutrinação comunista nas escolas. Então, é preciso que as autoridades competentes vigiem para que isto realmente não aconteça. Os cristãos não devem medir esforços, devem empregar todos os meios, máxime as redes sociais para fazer uma higiene mental como vacina contra a "meningite" comunista; é preciso proteger os cérebros das crianças, adolescentes e jovens trocando as membranas infeccionadas pelos esquerdistas. O governo, agora anti-comunista, graças a Deus, deve facilitar e até incentivar para que haja mais escolas particulares verdadeiramente cristãs. Um ponto importantíssimo (mas que nem Bolsonaro, pelo menos por enquanto não concorda, é, porém doutrina tradicional da Igreja, reafirmada por Paulo VI, na Encíclica "Humanae Vitae"): que as famílias católicas não evitem filhos; e quando for de fato necessário, sejam empregados só meios naturais, como o método de Ogino-Knaus. Precisamos de famílias verdadeiramente católicas numerosas! Devemos desejar ardentemente que os filhos das famílias cristãs a partir de agora aqui no Brasil  cresçam revestidos de Jesus Cristo. Aí está a solução! Não tenhamos medo de dizê-lo; nem muito menos, pusilanimidade em fazê-lo!
 Mas continuemos com a descrição da escola comunista. Mostrando os fins gerais da escola soviética, dizia o comunista Zinoviev: "transformar a escola que é arma de dominação burguesa, em arma de destruição da desigualdade das classes sociais, em arma da construção comunista da sociedade".  E vejam o que disse o próprio Lenine: "A menor atividade da escola, cada passo da educação, no aprendizado, na instrução, devem estar indissoluvelmente ligados à luta dos explorados contra os exploradores".  E Paulo Freire deixou transparecer seu preconceito contra os que ele considerava "opressores": "Seria uma atitude ingênua esperar que as classes dominantes desenvolvessem uma forma de educação que proporcionasse à classes dominadas perceber as injustiças sociais de maneira crítica". Na verdade, porém, para os comunistas sim,  o papel fundamental da escola  é formar o futuro lutador do comunismo, o construtor do novo regime. Os comunistas lutam para que a  escola faça todo o possível para armar o aluno com a ciência, os processos e os hábitos que lhe facultem cumprir sua missão de revolucionário. Portanto, para os comunistas a escola deve ser a arma ideológica da revolução, da luta de classes.
Não posso deixar de citar a alta ilustração sobre o tema, feita pelo Papa Pio XI na "Divini Redemptoris": "Insistindo sobre o aspecto dialético de seu materialismo, os comunistas pretendem que o conflito que leva o mundo até a síntese final, pode ser acelerado pelos homens. Daí o esforçarem-se por fazer mais agudos os antagonismos que surgem entre as diversas classes sociais; e a luta de classes, com os seus ódios e destruições, adquire o aspecto de uma cruzada pelo progresso da humanidade".
Os romanos diziam: "Maxima debetur puero reverentia": o máximo respeito se deve à criança. Mas os professores comunistas, ali dentro das quatro paredes da sala de uma escola, geralmente longe da vigilância dos pais, procuram fazer uma lavagem cerebral que consiste em tirar Deus e, em seu lugar colocar a pura matéria nas mentes pueris e juvenis. S. Paulo diz que não podemos dar lugar ao demônio. O mesmo devemos dizer dos esquerdistas. Caríssimos, vemos que também no Brasil se realizou esta profecia de Nossa Senhora em Fátima, profecia esta feita no mês de julho de 1917: "Se não atenderam aos meus pedidos a Rússia espalhará seus erros pelo mundo". E qual é o erro da Rússia? É a doutrina comunista. Os esquerdistas se infiltram na Hierarquia da Igreja, na Política, e até nos Exércitos, e vão envenenando e manobrando as mentes, especialmente nas escolas. Fidel Castro implantou a revolução comunista em Cuba com a colaboração de católicos, católicos estes animados por Padres. O mesmo vem acontecendo no Brasil e esperamos que o nosso povo cristão tenha aberto de vez os olhos contra os teólogos da Libertação e as CEBs. E nunca percamos de vista que os comunistas têm uma ousadia e tenacidade verdadeiramente diabólicas. Meditemos este fato contado pelo então Padre Fernando Arêas Rifan no seu livro "QUER AGRADE QUER DESAGRADE": "Certa vez, em Turim, numa reunião de círculos católicos, se discutia por que razão os Partidos comunistas cresciam e progrediam tanto, ao passo que os Partidos católicos se enfraqueciam. Depois de muitas opiniões, um senhor, que tinha sido militante comunista e se convertera ao catolicismo, levantou-se para falar, dizendo que sabia perfeitamente e por experiência a causa daquela diferença: 'É porque nós comunistas falávamos a mentira, mas com toda a desfaçatez e coragem como se estivéssemos falando a verdade; e os católicos falam a verdade, mas com um medo terrível como se estivessem falando a mentira!'
Hoje, graças a Deus, as redes sociais (graças à Internet bem empregada) estão fazendo a diferença! Quantas grandes inteligências, das quais, algumas mesmo exponenciais da Direita, estão mostrando com clareza e destemor, as falácias dos políticos comunistas! Vejo isto com grande alegria na alma, e uma chama viva de esperança  certamente se acende em nossos peitos: o nosso Brasil não será mais maculado pelo vermelho comunista!
Caríssimos, peçamos a Deus a grande graça de termos professores que amem a Deus e assim, só com o seu bom exemplo já serão nas salas de aula, o bom odor de Jesus Cristo! Amém!

sábado, 1 de dezembro de 2018

TRISTE IRONIA



O Filho de Deus desceu dos Céus à terra para nos libertar do pecado e nos dar a Sua graça que nos garante a Salvação eterna. Nosso Senhor Jesus nasceu para morrer por nós. Os "teólogos" comunistas da "Teologia" da Libertação, dizem que Jesus veio para libertar os pobres, os oprimidos pelos poderosos capitalistas.

Por uma triste ironia ou melhor dizendo: por uma rígida lógica comunista, o STF na maioria de seus componentes vota a favor do indulto de Natal de Michel Temer, indulto este em total contraste com a finalidade da vinda de Jesus ao mundo. "Ele (o Verbo) estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu e os seus não o receberam" (S. João I, 10).

Jesus Cristo escolhe na verdade, como primeiros adoradores os pobres, ou seja, os pastores de Belém. Mas chama também os ricos, os reis do Oriente. Já no Antigo Testamento Deus concedeu riquezas a muitos homens santos, inclusive ao próprio Patriarca de Seu Povo, Abraão. Portanto, Deus não exclui os ricos do Reino do Céu. Exclui sim os ladrões não arrependidos, ladrões estes de que classe econômica forem. Jesus fora crucificado entre dois ladrões, mas só perdoou o que se arrependeu.  Mas Che Quevara chamava o mau Ladrão de deus. Jesus veio para salvar o que estava perdido. Por exemplo Zaqueu estava perdido, porque adquiriu riquezas roubando. Mas ele se arrependeu e recebendo Jesus em sua casa, prometeu que repararia toda sua vida de corrupção, retribuindo quatro vezes mais o que tinha defraudado. Aí, e só então, Jesus disse-lhe: "Hoje entrou a salvação em tua casa". Ao entrar na casa de Zaqueu, Jesus não disse: "eis que a salvação entra em tua casa!". Não! Só o disse quando Zaqueu arrependido promete reparar sua vida corrupta.

Pois bem, libertar ladrões, e não qualquer ladrãozinhos, mas corruptos condenados pela bendita Lava Jato e outras operações, por somas mi e até bilionárias é algo que entristece as pessoas de bem. Quero dar um exemplo: Sou aqui do Estado do Rio de Janeiro, e quero dizer que as roubalheiras de Cabral e Cia, causaram inúmeras mortes de inocentes. Não havia dinheiro para infra-estrutura e muitos morreram por epidemias, a polícia não tinha recursos para devidamente enfrentar bandidos armados, às vezes melhor que os policiais; e estes temem mais os capas pretas que os bandidos; muitos acidentes fatais por causa do estado precaríssimo de muitos asfaltos, muitos pessoas, inclusive conhecidos meus, morreram em filas de hospitais, e pior, muitos morreram por falta de hospital, de medicamentos etc. Agora, basta transferir este exemplo para todo o nosso continental país. É uma lástima!

Eis a triste ironia: Jesus passou fazendo o bem, curando os doentes e até restituindo a vida aos mortos. E o STF aprova (com duas honrosas exceções) o indulto de NATAL para corruptos presos. Caríssimos, sabem o que estes homens irresponsáveis fizeram: Foi-lhes perguntado por Pilatos (Michel Temer): A quem quereis que vos solte no aniversário de Jesus:  Jesus que foi preso e condenado por ter feito o bem, ou Barrabás que fora ladrão e assassino? STF! a quem quereis que vos solte: a Jesus que deu a vida aos mortos, ou a Barrabás que deu a morte aos vivos? Todos responderam (com exceção de dois): no Aniversário de Jesus, como presente, que Ele seja condenado nas pessoas de classe média, média alta e alta, mortas por bandidos (indiretamente e só por isso não são considerados crimes hediondos); e também nas pessoas dos pobres que morreram por causa da corrupção e que Barrabás, ladrão e assassino, seja livre da cadeia, nas pessoas dos corruptos! Pode haver decisão mais insensata, fatídica e imoral do que esta?!

Seria de muito melhor alvitre que todos os políticos, desde o Presidente até os vereadores, todos os magistrados do STF fizessem uma redução nos seus salários em 30 %,  pelo menos no mês de dezembro e este montante fosse destinado pelo Presidente a pagar o 13º da bolsa família para que os mais pobres pudessem celebrar com mais alegria o Santo Natal. Pois, Jesus que era rico, se fez pobre para nos enriquecer com as verdadeiras riquezas celestiais.  Magistrados, pelo menos, granjeai riquezas nos tabernáculos eternos ajudando os pobres e não os ricos corruptos; e não queirais ainda mais empurrar os corruptos para o inferno!