sábado, 8 de outubro de 2016

TEMOR DE DEUS



"Não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma; mas temei antes aquele que pode lançar na Geena a alma e o corpo" (S. Mateus X, 28 e cf. também S. Lucas XII, 4 e 5: "A vós, meus amigos,  vos digo:Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, e depois nada mais podem fazer; temei aquele que, depois de matar, tem poder de lançar no inferno..."

Não pode haver ninguém mais amigo do que Jesus Cristo, que quis morrer para nos salvar. E quem avisa, amigo é. Como a amigos Jesus nos dá este aviso em Mateus X, 28 e Lucas XII, 4 e 5. Portam-se, porém, como inimigos aqueles que aconselham a atitude da avestruz perante o dogma do inferno: Deus é Pai, não temais, não existe o inferno. Isto é tapar os ouvidos a advertência paternal de Deus. Jesus Cristo manda que se tema o inferno, justamente para nele não vir a cair com a alma, e depois do Juízo Final, também com o corpo.  "O princípio da sabedoria é o temor do Senhor" (Eclesiástico I, 16). Os ninivitas agiram com sabedoria porque temeram os castigos de Deus, quando Jonas lhes foi anunciar a destruição da cidade. Se os primeiros homens temessem a Deus, que é Pai mas também Juiz, não teriam praticado excessos, que moveram o mesmo Deus a afogá-los no dilúvio! Se o temor de Deus tivesse entrado em Sodoma e Gomorra com as advertências de Lot, não teriam sido os seus habitantes reduzidos a um montão de cinzas! Devemos amar a Deus, que dá o céu a quem o merece; e temê-Lo, porque castiga com o inferno os pecadores que, depois de abusar da Misericórdia, desprezam a Justiça divina e não se convertem até ao último instante de vida.

 Existem duas espécies de temor: o temor de servo que teme a culpa  por medo do castigo que Deus pode infligir. Sobretudo teme o extremo e eterno castigo que é o inferno, onde, depois da ressurreição dos corpos no juízo final, os réprobos serão lançados não só com as almas mas também com os corpos. E só Jesus Cristo, Juiz Supremo tem este poder. Os homens só podem lançar o corpo na sepultura. Este temor reverencial embora, não seja perfeito, contudo é bom porque afugenta o pecado: "O temor do Senhor expulsa o pecado" (Eclesiástico I, 27). Mas há outra espécie de temor e este é o melhor porque não é um temor servil mas de filho. Não apenas é bom, mas é um temor santo como diz o Salmo XVIII, 9 e 10: "As justiças do Senhor são retas, alegram os corações, o preceito do Senhor é claro, esclarece os olhos. O temor do Senhor é santo, permanece pelos séculos dos séculos; os juízos do Senhor são verdadeiros, cheios de justiça em si mesmos". O temor filial consiste em temer o castigo também por medo da culpa. E à medida que cresce esse temor, aumenta outrossim o amor que nos une a Deus. Diz Santo Tomás de Aquino que os atos exteriores devem brotar da disposição interior. A humildade é a disposição interior para todas as virtudes. O temor de Deus, a reverência diante da Majestade infinita de Deus procedem da humildade interior mas que mui naturalmente se mostram também no exterior. Pela humildade a alma tem sempre Deus diante dos olhos, sem jamais o esquecer. Teme ofender um Pai que é todo Amor, um Supremo Senhor que é todo Justiça, pois,  premia um copo d'água dado a alguém por Seu amor, como castiga uma palavra ociosa. 

O próprio Nosso Senhor recomenda esse temor reverencial àqueles que se dignou chamar seus amigos: "Digo, porém, a vós, meus amigos..." (S. Lucas XII, 4).  Este temor do inferno, inclui também o amor a Deus, pois, o condenado, além de outros tormentos, sofre ainda mais pela "pena do dano", isto é, ter perdido para sempre o Supremo Bem, o Pai de Bondade. Embora entre assim o amor de Deus, o motivo principal, porém, é o medo do castigo. A alma começa com este temor, mas, é óbvio que, à medida que vai adiantando na vida espiritual, este temor bom mas menos digno, cede pouco a pouco o lugar ao amor, como móbil principal e depois habitual de ação. O Concílio de Trento, no entanto,  fala com muita insistência da incerteza em que estamos a respeito da perseverança final; a nossa vida é uma provação contínua na fé, e nunca devemos largar esta arma do temor de Deus. E mesmo não podemos abandonar nunca o temor do castigo porque o próprio Espírito Santo nos dá este aviso: "Em todas as vossas obras, meditai nos vossos novíssimos e não pecareis jamais" (Ecli. VII, 40). A morte, cuja hora é incerta, abre a porta para a eternidade; logo vem o juízo, e aí a alma já saberá qual será a sua sorte eterna; ou feliz eternamente no Céu, ou infeliz eternamente no inferno.  Afinal, é o próprio Jesus que inculca este temor reverencial de servo.

Caríssimos, e como não temer, se o próprio Divino Mestre nos exorta a isto?! Se um rei do alto de uma torre, sustentasse um criminoso pelos cabelos, de maneira que, abrindo apenas as mãos,  fizesse o inimigo se precipitar numa fossa repleta de serpentes venenosas, ou numa geena cheia de imundícies fumegantes, será que este criminoso teria a ousadia e temeridade de,  com um punhal,  ameaçar o ofendido? E o pecador está em verdade, suspenso por um fio que é a vida, e suspenso sobre um "poço de fogo" (Apoc. IX, 2). Deus tem poder de cortar este fio e lançar na geena, não só o corpo mas também a alma e isto para sempre: "Ide malditos para o fogo eterno preparado para os demônios e seus seguidores" (S. Mat. XXV, 41 ).

 Jó fala sobre si fazendo uma outra comparação: "Eu sempre temi a Deus como a ondas suspensas sobre mim, e nunca pude suportar o peso de sua majestade" (Jó, XXXI, 23) E acrescentamos: se o Espirito Santo diz que os santos devem temer o inferno, que dizer dos pecadores? E este deixariam de sê-lo se temessem o inferno.  O mesmo Deus elogiou a santidade de Jó. E o que ele diz de si, foi sob inspiração do mesmo Espírito Santo! Logo o temor não é contrário à santidade. O temor de Deus, mesmo o servil, é pábulo para a santidade. Uma característica da santidade é justamente o desapego universal de todas as coisas humanas. Então entendemos bem a comparação de Jó. Como os navegantes no perigo não pensam em banquetes, em glórias, em passatempos, em prazeres, em riquezas, mas só naquilo que importa, isto é, em salvar a vida, assim no nosso caso, os santos não pensam em outra coisa senão em salvar a sua alma, e assim salvar também o corpo, que Jesus vai ressuscitar brilhante como o sol.

Jó usa esta comparação, para dizer também que sempre se tinha voltado para Deus com aquela confiança intensa com a qual se recomenda quem vê as ondas e uma terrível tempestade, que o ameaçam. E como os navegantes, mesmo no meio de gritos de invocações, não deixam de fazer todo o indispensável para salvar-se a ponto de lançar tudo no mar caso seja necessário, assim fazem em nosso caso também os santos, e Jó com esta metáfora queria indicar que ele tinha também agido sempre assim: "O meu coração não me acusa nada em toda a minha vida" (Jó XXVII, 6).


Caríssimos, procuremos amar a Deus de verdade e veremos como o nosso Deus é digno de um temor tal que não possa haver maior. O TEMOR DO SENHOR É UMA GLÓRIA E UMA HONRA, É UMA ALEGRIA E COROA DA ALEGRIA" (Ecli. I, 11). Amém!

2 comentários:

  1. A pintura acima mostra o inferno como uma câmara de tortura inventada por um Deus sádico que sente prazer em contemplar o sofrimento eterno de sues inimigos. E do qual Satanás é o rei ou pior o encarregado por este deus para os fazer sofrer. Não! O inferno é muito pior. É a separação eterna de Deus que sempre será amor infinito. É não suportar a luz perpetua embora esta luz esteja brilhando sempre, até para os condenados que não querem vê-la e nem ir para ela, pois tudo nesses são trevas. Deste modo o inferno nada mais é do que consequência do pecado e o demônio está nele como um dos maiores condenados e não um rei em sue reino.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CATECISMO EM IMAGENS - COM EXPLICAÇÃO DO QUADRO

      Quadro nº 17 - Duodécimo artigo do Credo
      O quadro anterior, ou seja, o nº 16 representou a vida eterna feliz que é o Céu. Este quadro nº 17 representa a vida eterna infeliz que é o Inferno.
      No alto do quadro, vemos sete aberturas do inferno, que são marcadas pelas primeiras letras dos sete vícios capitais. O O indica o orgulho. O A indica a avareza. O L a luxúria, o E a inveja (envie em francês), o G a gula, o C a cólera ou ira, o P a preguiça. Pretende-se mostrar com isso que são sobretudo os pecados capitais que levam as almas para o inferno.
      Por cima de cada uma destas letras, um animal simboliza o pecado que ele representa. Vemos da esquerda para a direita: um leão que simboliza a ira; um porco que simboliza a gula; um sapo sempre preso à terra, simboliza a avareza; um bode que simboliza a luxúria; uma serpente que simboliza a inveja; uma tartaruga que simboliza a preguiça.
      Além do fogo que é um sofrimento comum a todos os condenados, cada um, no entanto, sofre penas particulares apropriadas aos pecados que cometeu.
      No centro do quadro vemos os orgulhosos sendo arrastados aos pés de Lúcifer e forçados a dobrar os joelhos diante dele. São assim tratados porque, durante suas vidas, não quiseram se humilhar diante de Deus.
      Sob a letra A, vemos os avarentos trazendo uma sacola suspensa ao pescoço. Esta sacola lembra-lhes o quanto eles foram insensatos em preferir os bens perecíveis da terra aos bens eternos do céu.
      Sob a letra L, vemos os impudicos atormentados cruelmente pelos demônios e animais ferozes. Não se quer dizer com isto que haja animais no inferno mas é para simbolizar a raiva com que os demônios atormentam os impuros.
      Sob a letra E, vemos os invejosos enlaçados e mordidos por monstruosos répteis.
      Sob a letra G, vemos os gulosos e os bêbados sendo devorados por fome e sede cruéis e alimentados com fel de dragão e veneno de áspide. Isto tudo simboliza o remorso terrível e eterno por terem feito do estômago o seu deus.
      Sob a letra C, vemos os coléricos e os vingativos dilacerando-se mutuamente e arrancando os cabelos.
      Sob a letra P, vemos os preguiçosos sendo mordidos por tartarugas, picados com objetos inflamados, e deitados em braseiros.
      Os transgressores dos dez mandamentos de Deus e os profanadores dos sete sacramentos são pisoteados por uma besta que tem sete cabeças e dez chifres.
      Em baixo do quadro, à esquerda, vemos centauros (= monstros metade homem metade cavalo) pisando aos pés os heresiarcas que combateram a Religião com os seus maus escritos.
      No centro do quadro, vemos representado Lúcifer e por cima dele vemos um relógio cujo ponteiro marca sempre a mesma hora, e esta hora é a eternidade. Isto é para mostrar que as penas dos condenados duram sempre (toujours), e que, uma vez caído no inferno, de lá não se sairá jamais.
      Caríssimo Sr. Professor, como as Sagradas Escrituras falam claramente do castigo do fogo no inferno, os pintores sempre, ao representar o inferno, pintam os condenados em meio ao fogo. A Bíblia fala ainda de outros tormentos, como o Sr. já deve ter lido. Sendo Deus justo, e como não é só a alma que peca, mas também o corpo (os sentidos), Deus castiga a alma com a pena do dano (que realmente é o maior tormento) mas castiga também o corpo com seus sentidos. E sabemos pela Bíblia que o condenado é atormentado pelo pecado que comete. O pintor deste quadro procurou reproduzir exatamente isto. Agora, fora o que a Igreja já definiu, e o que está dito claramente na Bíblia, outros detalhes ficam à mercê da imaginação dos artistas.

      Excluir