sexta-feira, 17 de março de 2017

DOR PERFEITA E DOR IMPERFEITA DOS PECADOS

LEITURA ESPIRITUAL MEDITADA

Caríssimos, vimos na postagem anterior sobre este assunto, quais as condições que deve ter a nossa dor, para nos dispor ao perdão das nossas faltas na confissão. Vamos ver neste artigo que esta dor pode ser perfeita ou imperfeita. A dor perfeita chama-se contrição, e a imperfeita, atrição. A CONTRIÇÃO  é a dor que se tem do pecado, porque ofende a bondade de Deus. Os teólogos dizem que a contrição é um ato formal de perfeito amor para com Deus; porque, para aquele que tem a contrição, o que excita a arrepender-se de ter ofendido a Deus é o seu amor para com a bondade de Deus; é, pois, muito útil fazer, antes do ato de contrição, um ato de amor a Deus, desta maneira: "Meu Deus, porque sois a Bondade infinita, eu vos amo acima de todas as coisas; e, porque vos amo, pesa-me, acima de tudo, de vos ter ofendido". Resumindo: o motivo predominante da dor não é o temor do inferno nem a fealdade do pecado, mas o amor de Deus.

A ATRIÇÃO  é também uma dor de ter ofendido a Deus, mas proveniente de um motivo menos perfeito, como a fealdade do pecado, ou o dano que ele causou, seja o inferno merecido, seja o paraíso perdido.

Assim, a contrição é um arrependimento do pecado por causa da injúria feita a Deus, e a atrição é um arrependimento do pecado por causa do mal que dele resulta para nós.

Pela contrição, recebe-se no mesmo momento a graça santificante, antes de receber a absolvição do confessor, contanto que se tenha intenção, ao menos implícita, de receber o sacramento. Mas pela atrição não se obtém a graça santificante senão recebendo a absolvição. É o que ensina o Santo Concílio de Trento.

Pergunta-se se, para receber a absolvição, é necessário que a atrição esteja unida ao AMOR INICIAL,  quer dizer: a um começo de amor. É claro que sobre isto não paira nenhuma dúvida, porque o próprio Concilio Tridentino ensina que uma das disposições que devem ter os pecadores para serem justificados é que comecem a amar a Deus. A dúvida está em saber como deve ser este começo de amor. Aí, há muitas opiniões entre os teólogos, mas sabemos qual é a aprovada pela Igreja, como veremos abaixo.

Alguns querem que seja um ato de amor predominante. São desta opinião os que têm laivos de Jansenismo. E, portanto, não é aprovada pela Igreja. Vejamos; dizem que o pecador ame a Deus acima de todas as coisas. Mas não raciocinam bem; pois, quem ama a Deus acima de todas as coisas, ama com um amor perfeito, o qual perdoa e apaga o pecado. O Papa Gregório XIII condenou uma proposição de Baio, afirmando que o amor de Deus pode existir com o pecado. Baio falava do amor, que é, segundo S. Paulo, a plenitude da lei (Rom. XIII, 10). Ora, qual é este amor que cumpre a lei? É o amor predominante, pelo qual se ama a Deus sobre todas as coisas. Santo Tomás de Aquino ensina que, amando a Deus sobre todas as coisas, cumprimos este preceito de Jesus Cristo: "Amareis o Senhor vosso Deus de todo o vosso coração" (Mat. XXII, 37): "Quando nos é ordenado, diz S. Tomás, amar a Deus de todo o nosso coração, isto significa que devemos amá-Lo sobre todas as coisas". Daí conclui que o amor de Deus não pode existir com o pecado mortal.

Temos, além disso, vários textos da Sagrada Escritura, para nos assegurar que quem ama a Deus é amado por Deus: "Eu amo aqueles que me amam" (Prov. VIII, 17); "Aquele que me ama será amado de meu Pai e eu o amarei também" (Jo. XIV, 21). "Quem permanece no amor, permanece em Deus e Deus nele" (1 Jo. IV, 16); "O amor resguarda a multidão dos pecados" (1 Pedro, IV, 3).

Segue-se daí que toda a contrição, que é um ato de amor, mesmo em um fraco grau, contanto que seja realmente contrição, perdoa todos os pecados graves. Suposto isto, resulta que pelo começo de amor, que deve estar unido à atrição, não se pode entender o amor predominante; pois, por mais fraco que fosse este amor, seria sempre o amor perfeito, e conseguintemente, em lugar de atrição, ter-se-ia contrição; de modo que, se uma tal disposição fosse necessária, todos os penitentes já estariam absolvidos antes de se confessar; e então o sacramento da Penitência não seria mais um sacramento de mortos, mas um sacramento de vivos; a absolvição não seria mais uma verdadeira absolvição, antes uma simples declaração da absolvição já recebida, como pretendia Lutero; o que se não pode dizer, segundo o Concílio de Trento.


CONCLUSÃO: Não é pois, necessário que o começo de amor, que deve acompanhar a atrição, seja um ato de amor predominante; basta que seja um simples começo de amor, tal como é o temor dos castigos eternos, entre os quais, aliás, o maior é a perda de Deus. "O temor de Deus, diz-nos o Espírito Santo, é o começo do seu amor" (Eclesiástico XXV, 16). A vontade de não mais ofender a Deus é também um começo de amor; da mesma maneira, a esperança do perdão e dos bens eternos, que Deus promete aos penitentes. Quando se espera pelo bem de alguém, diz Santo Tomás, começa-se a amar esse alguém. É por isso que, quando nos vamos confessar, é bom juntar ao ato de dor um ato de esperança de obter o perdão das nossas faltas pelos méritos de Jesus Cristo, segundo o que ensina, ainda o Concílio de Trento, pois, sabe-se que é por esta esperança que os penitentes se devem preparar para receber de Deus a remissão dos seus pecados.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário