segunda-feira, 13 de março de 2017

A DOR E DETESTAÇÃO DOS PECADOS OU CONTRIÇÃO

LEITURA ESPIRITUAL MEDITADA

 O Sacrossanto Concílio de Trento assim define a contrição: "É uma dor da alma e detestação do pecado cometido, com o propósito de não mais pecar para o futuro". A contrição foi necessária em todos os tempos para obter o perdão, e é ela que prepara o homem para a remissão dos pecados.  Daí o mesmo Concílio Tridentino declarar que a contrição não compreende somente a cessação do pecado e o começo de uma vida nova, mas ainda o ódio `a vida passada, segundo estas palavras do Espírito Santo: "Lançai para longe de vós todas as vossas iniquidades, e fazei em vós um coração novo e um espírito novo" ( Êxodo, XVIII, 31).

E, na verdade, quem considerar atentamente estes lamentos dos santos: "Pequei contra vós só, ó meu Deus, fiz o mal em vossa presença" (Salmo 50); "Todas as noites rego meu leito com lágrimas; recordarei todos os anos da minha vida na amargura do minha alma" (Salmo 6).

Caríssimos, todo aquele que meditar bem nestes lamentos dos santos, compreenderá que eles provêm de um verdadeiro ódio à vida passada e de uma profunda detestação dos seus pecados. E justamente por força deste arrependimento interno, não perdiam oportunidade de fazer penitências exteriores, e aceitavam todos os sofrimentos e tribulações como merecidas pelos seus pecados. O exemplo clássico que se dá no Antigo Testamento é o do Rei Profeta Davi. É muito salutar meditarmos nos Salmos penitenciais que, pela Vulgata tradicional, são: o 6, 31, 37, 50, 101, 129, 142. Os dois mais conhecidos são: O "Miserere" (Salmo 50) e o "De Profundis" (Salmo 129).

A dor ou arrependimento dos pecados cometidos é de tal modo necessária para se obter a remissão deles, que, sem esta disposição, Deus não perdoa. Nosso Senhor Jesus Cristo disse: "Se não fizerdes penitência, todos perecereis". E, como já explicamos, trata-se primeiro da penitência interior, ou seja, a dor ou contrição do coração. Como dizia o Espírito Santo pelo profeta Joel: "Rasgai os vossos corações e não as vossas vestes" (Joel, II, 13).

Pode acontecer que alguém se salve sem exame de consciência e sem confissão, como quando, não podendo confessar-se, por falta de tempo ou de sacerdote, faz um ato de verdadeira contrição perfeita à hora da morte; mas sem arrependimento é impossível salvar-se, mesmo que conte direitinho todos os pecados.


É preciso assinalar aqui o erro de certos penitentes que, em sua preparação para a confissão, não procuram senão lembrar-se dos seus pecados, e não se aplicam absolutamente a conceber uma verdadeira dor. Esta dor devemos nós pedi-la insistentemente a Deus; antes de nos apresentarmos ao confessionário, tenhamos cuidado de dirigir uma Ave-Maria à Santíssima Virgem, Mãe das Dores, afim de que nos obtenha um verdadeiro arrependimento dos nossos pecados. Lemos na vida do Santo Cura d'Ars como ele avisava sempre seus paroquianos sobre isso. Costumo pregar nos retiros que antes de tomarmos o caminho do confessionário, devemos fazer mentalmente três viagens: irmos até ao Céu que perdemos; até ao inferno que merecemos; até ao Calvário onde vemos Jesus chagado e morto na cruz por causa de nossos pecados. Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário