terça-feira, 8 de agosto de 2017

HUMILDADE DO CURA D'ARS

Por Abbé A. Monnin

      Para quem não conhecesse o Cura d'Ars pela narração das coisas maravilhosas que se realizavam em torno dele e que lhe mereciam as ovações da multidão, era natural supor que, naquele ambiente de glória que o circundava, o orgulho lhe era, senão a armadilha, ao menos a tentação. Que provação, com efeito, permanecer humilde entre os testemunhos mais expressivos e mais retumbantes da veneração pública! Alguém insinuava certa vez essa ideia diante dele; ele compreendeu, e, levantando os olhos aos céu com uma expressão profunda de tristeza e quase de desalento, disse: "Ah! se ainda eu não fosse tentado de desespero!"
    Um dia recebeu ele uma carta cheia de coisas inconvenientes; pouco depois recebeu outra que só respirava veneração e confiança. e na qual lhe chamavam um santo. Ele o participou às suas caras filhas da Providência: "Vede, diz-lhes, o perigo que há em nos determos nos sentimentos humanos. Esta manhã eu teria perdido a tranquilidade da alma, se tivesse querido dar atenção às injúrias que me dirigiam, e esta tarde teria sido grandemente tentado de orgulho, se me tivesse fiado em todos aqueles cumprimentos. Oh! como é prudente não nos apegarmos às vãs opiniões e aos vãos discursos dos homens, e não fazer nenhum caso deles!"
    Ele dizia ainda a propósito dessas cartas: "Recebi duas cartas pelo mesmo correio; numa diziam que eu era um grande santo, noutra que eu era um hipócrita e um charlatão... A primeira não me acrescentava nada, a segunda nada me tirava: a gente é aquilo que é diante de Deus; e depois, nada mais!"
    Outra vez dizia ele: "O bom Deus escolheu-me para ser o instrumento das graças que ele faz aos pecadores, porque eu sou o mais ignorante e o mais miserável de todos os padres. Se houvesse na diocese um padre mais ignorante e mais miserável do que eu, Deus o teria aproveitado de preferência".
    O Cura d'Ars tinha uma sentença que lhe tornava com frequência à conversação: "Se dizem mal de vós, dizem o que é verdade; se vos cortejam, zombam de vós... Qual é melhor, que vos avisem, ou que vos iludam? que vos tomem a sério, ou que vos escarneçam?"
    O Padre Vianney nunca falava de si primeiro. Se o interrogavam, respondia com uma modéstia que impunha reserva e com um laconismo que reduzia o interlocutor ao silêncio. Depois cortava com tudo que lhe dizia respeito e só procurava desviar a conversa. No mais, esgotava em tais ocasiões todas as formas do desprezo, e a sua humildade era engenhosa em inventar formas novas. Fazia o elogio de um padre a quem estimava, e dizia, na sua linguagem imaginosa e pitoresca, que havia nele algo da andorinha e da águia.
    "- E em V. Revma., sr. Cura, que há?
    " - Oh! o que há em mim? Serviram-se para formar o Cura d'Ars duma pata, duma perua e de uma lagosta".
    "Como V, Revma. é bom", dizia o santo homem a um missionário recém-chegado a Ars, "de vir ajudar-nos!
    "- Sr. Cura, sem falar do prazer que temos de viver junto a V. Revma., é um dever que cumprimos.
    " -Oh não! é caridade!
    "- Sr. Cura não creia isso. Não há caridade da nossa parte. 
    "- Oh! há! Bem vê V. Revma., que, quando V. Revma., está aqui, isto ainda vai; mas quando eu estou sozinho, não valho nada. Sou como os zeros, que só têm valor ao lado dos outros algarismos... Estou velho demais, não presto para nada. 
    "- Sr. Cura, V. Revma. é sempre jovem pelo coração e pela alma.
    "- Sim, meu amigo, posso dizer, como um santo a quem perguntavam a idade, que ainda não vivi um dia".
    Na necessidade que o Padre Vianney sentia de se diminuir e rebaixar, fazia emprego contínuo do termo pobre. Era a sua pobre alma, o seu pobre cadáver, a sua pobre miséria, os seus pobres pecados. Tinha sempre a língua levantada para reconhecer suas faltas, e, a dar-lhe crédito, a sua vida inteira não bastaria para chorá-las. Só acusações tinha a formular contra si próprio.
    A humildade do seu coração fazia-lhe derramar verdadeiras lágrimas sobre a sua fraqueza e ignorância. Essas lágrimas só podiam ser enxugadas pela generosidade do seu ânimo que o premia a lançar-se de olhos fechados, com todas as suas impotências, nos braços de Deus. Ele se exprobrava tudo. Crer-se-ia que ele envelhecera no mal, que era o mais vil e o mais desgraçado dos pecadores. 
    "Como Deus é bom, dizia ele muitas vezes, para suportar as minha imensas misérias!"
    "Deus me fez esta grande misericórdia de não pôr nada em mim em que eu me possa apoiar, nem talento, nem ciência, nem força, nem virtude... Só descubro em mim, quando me considero, os meu pobres pecados. E ainda Deus permite que eu não os veja todos, e que não me conheça todo. Essa vista me faria cair no desespero. Não tenho outro recurso contra esta tentação do desespero senão lançar-me aos pés do tabernáculo, como um cachorrinho aos pés do dono..."
    O servo de Deus era do pequeno número dos que falam da humildade humildemente. "Senhor Cura, como fazer para ser direito? perguntava-lhe um dia alguém.
    "- Meu amigo, é preciso amar a Deus".
    "- Ah! e como fazer para amar a Deus?
    "- Ah! meu amigo, humildade! humildade! É o nosso orgulho que nos impede de nos tornarmos santos. O orgulho é a corrente do rosário de todos os vícios, a humildade é a corrente do rosário de todas as virtudes".
    Eis aqui sobre o mesmo assunto alguns pensamentos do servo de Deus:
   "A humildade é como uma balança; quanto mais a gente se abaixa de um lado, tanto mais é elevada do outro".
    "Os que nos humilham são nossos amigos, e não os que nos louvam".
    "Perguntavam a um santo qual era a primeira das virtudes, e ele respondeu: "É a humildade. - E a segunda? - A humildade. - E a terceira? - A humildade".
    "Jamais compreenderemos a nossa pobre miséria. Faz fremir só o pensar nisto! Deus só nos dá sobre isso uma pequena vista. Se nos conhecêssemos a fundo, como ele nos conhece, não poderíamos viver; morreríamos de pavor".
    "Os santos se conheciam melhor que os outros, e é por isto que eram humildes. Entravam em grandes confusões vendo que Deus se servia deles para fazer milagres. São Martinho era um grande santo e julgava-se um grande pecador. Atribuía aos seus pecados todos os males que sucediam no seu tempo".
    "Ai! não se concebe como e de que uma criatura tão pequena como nós possa orgulhar-se... O diabo apareceu um dia a São Macário, armado de um chicote como para batê-lo, e lhe disse: "Tudo isso que tu fazes eu faço: tu jejuas, eu nunca como; tu velas, eu nunca durmo. Só há uma coisa que tu fazes e eu não posso fazer. - Oh! que é então? - "humilhar-me!" respondeu o diabo; e sumiu-se!...
    "Há santos que punham em fuga o demônio dizendo: "Como sou miserável!"


SÃO JOÃO BATISTA MARIA VIANNEY! ROGAI POR NÓS!