terça-feira, 10 de maio de 2016

NOÇÃO DE ÍDOLO E DE IMAGEM

   Quem vai entrar em discussão sobre uma questão qualquer (e principalmente quem vai lançar contra outrem uma GRAVE ACUSAÇÃO) precisa ter uma idéia clara sobre o significado dos termos que emprega nesta controvérsia ou nesta acusação. Discutir sem a exata noção dos termos seria obrigar os adversários a uma lamentável perda de tempo; acusar  sem medir bem o alcance das palavras, seria mais do que uma leviandade, uma falta de consciência indigna de um verdadeiro cristão.
   Ora, há protestantes (digo há protestantes, porque felizmente não são todos) que levam o seu ódio à Igreja Católica ao ponto de acusá-la de IDOLATRIA que, como a própria palavra está dizendo, consiste no culto de LATRIA (ou seja adoração no sentido rigoroso da palavra) prestada aos ÍDOLOS. É muito fácil verificar se é exata ou não esta acusação.
Baal, ídolo ou deus falso dos gentios
Era chamado, o deus da chuva.
   Afinal que vem a ser ÍDOLO?
   Ídolo é a figura representativa de um deus falso, à qual se presta culto. "O Senhor é grande e digno de louvores infinitos e terrível mais que todos os deuses, porque todos os deuses das nações são ídolos; mas o Senhor fez os céus". (1Crônicas, XVI, 25 e 26). "Eles reputaram por deuses a todos os ÍDOLOS das nações". (Sabedoria XV,15) Nota: algumas Bíblias protestantes não têm este livro.
   Nós sabemos que antes de Cristo, o mundo inteiro em peso caiu na idolatria, ou seja, adoração de estátuas de FALSAS DIVINDADES, as quais os homens consideravam COMO SENDO O SEU SUPREMO SENHOR, mudando, como diz São Paulo, a glória de Deus incorruptível em semelhança de figura de homem corruptível e de aves e de quadrúpedes e de serpentes" (Rom.I,23). A única exceção a essa geral degenerescência da razão humana era o pequenino povo hebreu, o qual, entretanto, de vez em quando, pelo menos em parte, caía também neste grave pecado pela influência dos povos vizinhos, com os quais era obrigado a entrar em contato.

Ídolo, deus falso chamdo Astaroth
   Conhecemos pela História a quantidade enorme desses falsos deuses e deusas, aos quais prestavam culto mesmo os povos mais civilizados, no desconhecimento em que se encontravam da existência do Deus Único, Espiritual e Eterno. Como eram entre os romanos, ou com outros nomes entre os gregos: Júpiter, Apolo, Mercúrio, Marte, Netuno, Saturno entre os deuses; Juno, Vênus, Diana, Minerva, Vesta e Ceres entre as deusas. Como eram entre os egípcios: Amon, Osíris, Hórus, Anúbis, Isis etc. Como eram na Mesopotâmia: Marduque, Assur, Samash, Sin, Istar etc.
   A Bíblia nos fala no nome de alguns destes ídolos adorados por povos vizinhos dos hebreus: Baal, Astaroth, Astart, Moloque, Camos. "Os filhos de Israel, ajuntando novos aos antigos pecados, fizeram o mal na presença do Senhor e adoraram os ídolos, a BAAL, e a ASTAROTH,  e os deuses de Síria e de Sidônnia e de Moab" ( Juízes, X,6). Salomão dava culto a ASTARTE, deusa do sidônios e a MOLOQUE, ídolo dos moabitas (1Reis, XI,7).
   Ora, três coisas verdadeiramente absurdas se notavam nesta IDOLATRIA ou adoração dos ídolos.
   A primeira é que se apresentavam como DEUSES, ou em contraposição com o ÚNICO e VERDADEIRO DEUS.

Ídolos ou falsos deuses do Antigo Egito.
Atrás do boi (deus Api) estão a deusa Ísis e o deus Osiris.
   A segunda é que esses deuses não correspondiam a nenhuma realidade. Nunca existiu Júpiter, nem Baal, nem Vênus etc, etc. Eram pura imaginação. É por isto que diz São Paulo: "mudaram a verdade de Deus em mentira" (Rom.I,25).
   Sendo o culto desses deuses inteiramente mentiroso, prestado a seres completamente inexistentes e destinando-se assim a substituir a adoração do verdadeiro Deus, a Bíblia o apresenta como sendo prestado ao próprio demônio, PAI DA MENTIRA,  que fomentava no mundo esse culto ilusório para afastar os homens da verdadeira noção do Criador; os sacrifícios a eles oferecidos, eram endereçados aos demônios: "Eles O irritarm adorando deuses estranhos e com as suas abominções O provocaram à ira. Ofereceram sacrifícios, não a Deus, mas aos DEMÔNIOS, aos deuses que eles desconheciam (Deuteronômio, XXXII, 16 e 17). "Todos os deuses das gentes são DEMÔNIOS; mas o Senhor fez os Céus (Salmos XCV 5). "E serviram aos seus ídolos e lhes foi causa de tropeço. Imolaram aos DEMÔNIOS os seus filhos e as suas filhas (Salmo CV,36 e 37). "As coisas que sacrificam os gentios, as sacrificam aos DEMÔNIOS, e não a Deus (1Cor. X,20).
   A terceira é que, não correspondendo esses ídolos a nenhuma realidade, os gentios que os adoravam, era daquelas estátuas em si mesmas que esperavam todo poder, toda proteção, de modo que estavam convencidos de que se desprendia daquele objeto material uma virtude, um poder máxico. E é assim que Deus pelo profeta Isaías comenta com ironia o absurdo de um homem que fabrica uma imagem e a considera como SENDO O SEU DEUS. (Confira na Bíblia: Isaías capítulo 44, versículos de 13 a 17).

   Noção de IMAGENS: Até aqui a noção de ídolos. Passemos agora para o noção de imagem.
   Imagem é um termo de significação muito ampla. Quer dizer a representação ou semelhança expressa de um ser qualquer. Não é só qualquer estátua ou desenho ou gravura; o sentido é tão vasto que quando nos lembramos de uma pessoa, dizemos trazer a sua IMAGEM em nossa mente; ou quando o orador usa de belas comparações, nós dizemos que ele emprega belas IMAGENS, ou seja, umas idéias representando outras.
   Mas, quando falamos, como agora é o caso, da questão de culto das imagens, entendemos por esta palavra as imagens sagradas, ou de pintura ou de escultura, que estão em uso na Igreja Católica.
   São figuras representativas, NÃO DE FALSOS DEUSES, mas de Nosso Senhor Jesus Cristo, de sua Mãe Maria Santíssima, dos anjos e dos santos.
   A Igreja Católica, espalhando no mundo as idéias cristãs desde os primeiros séculos, espalhou conseqüentemente a doutrina fundamental de que há em ÚNICO E VERDADEIRO DEUS, ESPIRITUAL, INVISÍVEL, IMUTÁVEL E ETERNO, CRIADOR DE TODAS AS COISAS.
   Mas é claro que todos os grandes personagens da História e todos os fatos relevantes para a Humanidade, têm fornecido assunto para as BELAS ARTES, como o desenho, a pintura e a escultura; nada mais natural, portanto, do que os ARTISTAS CRISTÃOS procurarem expressar os grandes personagens da História do Cristianismo, entre os quais avulta, é claro, Nosso Senhor Jesus Cristo, Homem-Deus, figura central de toda a História da Humanidade. Com Ele têm que ser relembrados os episódios sacrossantos da sua vida. Entre estes aparece, como um dos mais belos assuntos para a arte cristã, o seu nascimento em Belém e aí já é inseparável a sua Mãe Santíssima. Como também merecem a atenção dos artistas os santos que ficam como um exemplo admirável para os homens pelo modo como souberam realizar em si as virtudes cristãs e espelhar na sua vida os ensinamentos de Jesus, bem como, segundo a nossa maneira de expressá-los, os anjos que são os mensageiros de Deus.
   Ora, sabe-se muito bem que a imagem, a representação, o símbolo valem, não pelo que são materialmente em si, como seja um pedaço de pau ou de pano ou um aglomerado de gesso, mas valem muito aos nossos olhos em virtude daquilo que representam.
   Portanto, querer confundir duas coisas tão diversas, como sejam: o ídolo, isto é, representação de uma falsa divindade, inventada pelos demônios;
   e a imagem, isto é, a representação de Nosso Senhor Jesus Cristo, de Maria Santíssima e dos anjos e santos;
   sob o pretexto de que tudo não passa de pedaços de pau, ou de pano ou de gesso, isto é o mesmo que dizer que;
   o retrato de meu pai, ou de minha mãe ou de meus irmãos - e o retrato de um cachorro vêm a ser a mesma coisa, porque tudo isto não passa de um pedaço de papel, onde pousou o material fotográfico;
   ou que a bandeira que simboliza a nossa Pátria - e o pano que serve para a cozinheira enxugar os pratos vêm a ser a mesma coisa, porque tudo isto vem a ser apenas um simples pedaço de pano.
   As imagens valem por aquilo que representam. Por isto os ÍDOLOS eram ABOMINÁVEIS, pois representavam os falsos deuses, que não passavam de invenções diabólicas para perdição dos homens. As nossas sagradas IMAGENS são VENERADAS, porque representam REALIDADES que são dignas de todo o nosso respeito e consideração.
   E os protestantes que querem tachar de ÍDOLOS ( ídolos, o que é o mesmo que abominação aos olhos do Senhor) as nossas imagens sagradas são refutados por outros seus companheiros de Reforma: porque há seitas, como os luteranos e anglicanos que têm nas suas igrejas imagens iguais às que estão em uso na Igreja Católica; se são ÍDOLOS abomináveis, por que os conservam nos seus templos?
   Na próxima postagem, se Deus quiser, vamos ver a NOÇÃO DE ADORAÇÃO E LATRIA.

3 comentários:

  1. Padre bom dia,estou com o senhor,parabêns pelo vosso apostolado.
    Sou de Limeira int. SP estou comovido com a vossa coragem.
    A respeito do artigo acima,devo dizer que evangelico não sabe ler biblía,mais ainda quando as biblías deles são falsas ou faltam livros.
    Que DEUS seja convosco.

    ResponderExcluir
  2. Só existe um Deus e só Ele deve ser adorado. Se você encontrar alguém adorando o papa como se fosse um deus, deve taxá-lo de idólatra.

    ResponderExcluir